Toda alteração que afete o couro cabeludo de uma pessoa e altere a sua aparência física também altera a sua autoestima. A perda de cabelo, tanto no homem quanto para a mulher, causa sérias consequências emocionais. O cabelo sempre foi e sempre será um adorno do ser humano, fazendo parte da imagem pessoal que temos de nós mesmos e da que os outros têm de nós. Por isso, uma mudança repentina que envolva perda de cabelo pode afetar profundamente uma pessoa.
Segundo uma pesquisa da IPSOS, multinacional francesa que ouviu mulheres brasileiras à respeito deste assunto, os cabelos revelam seu estilo e identidade, além de estarem ligados à feminilidade. 
Por isso o impacto emocional nas mulheres que são submetidas à quimioterapia é muito forte, pois em muitos casos é inevitável ficar careca. É preciso um esforço muito grande para que essa fase do tratamento seja superada com dignidade e bom humor.
 Entenda por que os cabelos caem na quimioterapia
 
É comum associar o câncer à queda de cabelos, mas nem todas as pessoas que têm a doença perdem os fios. Quem esclarece é o médico Felipe Roitberg, oncologista clínico do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp). “Os pacientes chegam ao hospital supondo que todo mundo que tem câncer vomita, passa mal e perde o cabelo, mas isso não é regra. Nem todo mundo faz quimioterapia, e nem toda quimioterapia causa queda de cabelo”, diz Roitberg.

O que acontece é que a quimioterapia ataca as células que têm maior capacidade de multiplicação. Cabelos, pelos e unhas são formados por células com alta capacidade de multiplicação (por isso que crescem rápido quando cortamos), e são atacados ao mesmo tempo em que o tumor. Algumas quimioterapias causam mais queda de cabelo do que outras, e a que é usada para combater o câncer de mama é uma das que deixam os pacientes carecas.

Ao fim do tratamento quimioterápico os cabelos tendem a crescer de novo, mas podem reaparecer com textura ou cor diferentes, como no caso do ator Reynaldo Gianecchini
Caso seja inevitável a perda do cabelo, o que você pode fazer:
  • Pense em cortar o seu cabelo curto antes que ele comece a cair
  • Converse com seu médico ou enfermeira para ver se existe meio de receber uma peruca no hospital ou em alguma outra organização. Veja também se eles têm uma lista de lojas de perucas.
  • Escolha uma peruca antes de começar o tratamento ou logo no início do tratamento se você quer que combine com a cor e a textura de seu cabelo.
  • Use um bonito chapéu, turbante ou lenço em vez de uma peruca.
  • Use bloqueador solar para proteger a sua cabeça e couro cabeludo e use um chapéu no clima frio para manter a temperatura do corpo.
Esta fase não é fácil e é necessário todo o apoio e carinho à todas mulheres que com muita garra e coragem enfrentam o câncer.
Vejam a atitude de um menino de 8 anos ao ver sua avó careca.
¨A pianista se emociona ao lembrar do que ouviu de seu neto, que tinha então oito anos, ao visitá-la pela primeira vez sem cabelos. “Ele me disse para não me preocupar, que minha beleza não estava nos cabelos, mas sim na graça da minha pessoa. Eu comecei a chorar, isso que ele disse me deu muita força”, conta Inês Vasconcelos¨

 

Assim deveria ser a atitude de todas as pessoas que por ventura se deparam com mulheres em tratamento por quimioterapia e que por este motivo estão carecas. Um olhar, palavras de apoio, carinho, que transmita força, e demonstre o quanto estamos torcendo por elas ao invés de olhares de piedade e pena que infelizmente ainda muitos lançam diante destas circunstâncias.